quarta-feira, 27 de julho de 2005

só pra relaxar

pânico. falta de ar. amanhã entrevisto a fal do drops, e não quero ler mais nada. absolutamente nada. nem uma vírgula. nem meia linha a mais, nem meia a menos. não quero mais ler seu livro, fal, vou logo dizendo. hoje, não. nada de nada. entre a incoerência lógica do mercado de capitais, debêntures, ações em alta, dólar em queda, euro estável, preço do bode, da cabra, do boi. pregão da bovespa. mercado doméstico, mercado externo, acumulado 2005, renda variável, renda fixa, operações de instituições financeiras coligadas, distribuição secundária de ações, block trade, fundos de private equity, notas promissórias, taxa selic, ipca, cálculo da tjlp, títulos emitidos pela república, bndes, previdência privada, títulos de capitalização, copom, liquidez interna, liquidez externa, crise política, crise política, crise política, crise política, crise política, crise política. iiiihhhhhh, o disco da imprensa arranhou. troca, troca. golpes no varejo, inadimplência, spreads, arapuca, plano jade, rentabilidade, risco brasil, oferta de crédito, justiça morosa, funding, custo operacional, juros, inflação, inss, política industrial. e segue, segue além. nada disso se compara ao que nesse exato minuto sinto. e aqui rio de lembrar que a fal é quem estava nervosa por ser entrevistada por mim. calma, fal. estaca zero. vamos fazer tudo diferente. rasgo a pré-pauta - nada além de um esboço pra vencer uma certa timidez e dizer "bom dia, muito prazer" com um pouco mais de desenvoltura. rasgo, jogo tudo fora, e abandono o meu dia. mentira. tenho ainda uma matéria pra fechar. mas nervosa, não fecho nada. nem abro. vou é largar a redação. cinco minutos. tempo para um café. preciso. sentir o gelo na rua e lembrar que não sofro de asma. é a fal. drops mais forte que halls apavora. não o mercado. os economistas continuarão com suas especulações dia após dia. o que dá pânico, faniquito mesmo, é saber que amanhã encontro com a fal. explico. precisa? não precisa. a fal traduz a alma. dona fal, me aguarde. te levo flores. mas se ouvir um berro, não é revólver, não se assuste, sou eu quem grito. só pra relaxar.

3 comentários:

Clau disse...

Sossega Aninha... vc tira de letra! Quero ver a entrevista depois hein?
Beijo grande e boa sorte!!!!!!

Patolinus disse...

q houve com a fall? ela era tão divertida... eu ia adorar intrevistar ela, nossa, ia virar troca de receitas e truques gastronomicos

fal disse...

Ô princesinha, vc é um doce, um doce, um doce.
Nervosa tava eu, mas num é que fomos muito bem, nós duas?
Acho que nos saímos bem, dona Aninha, muito bem.
beijucas
Fal