terça-feira, 24 de maio de 2011

balança poética

eis a profecia que traço nessa manhã fria:
essa balança nunca será a mesma.
olharás para ela e lembrarás de mim.


- d'eu mesma para carmencita.

Nenhum comentário: