segunda-feira, 8 de março de 2010

as horas passam e eu coleciono defeitos. dias sem fim, de estrelas no chão. não me animo com a brisa que atiça a manhã. nem me excito com os temporais noturnos. os rios, se enchem, vão contra a vontade. correnteza, é outra. converso sozinha, mas se pergunto, rá! não respondo. não vim programada. não sou previsível. por mais previsível seja. ou pareça.

Um comentário:

Carol disse...

Anoca, que saudade! De te ler, das aulas, da companhia, das conversas... ah! você faz falta. é especial. Bem, me mudei de Slço. To em Juiz de Fora, tentando morar comigo. Espero saber de ti em breve. Beijocas.